The Cheater’s Guide to Love

cheaters-guide-love-book-books-bookclub-shortstory-junot-diaz-just-lily

Encontrei este livro, por acaso, numa livraria em Londres e achei-lhe piada. O título é provocador, o livro, como objecto, é interessante. Faz parte da colecção “Farber Stories” e acabei por comprar outro livro da colecção, que deixei em casa da Mónica antes de me vir embora para Lisboa – sabia que ela precisava de um livro e que o livro era a cara dela. Na verdade, trouxe uns seis ou sete livros comigo dessa livraria “The South Kesington Books” e escolhi este para ser o primeiro. Li-o na viagem Londres-Lisboa e esta é a minha review.

Junot Díaz é o autor desta short story que, às vezes, parece ser auto-biográfica, e extremamente analítica. A história é a de um homem que comete muitos erros na vida, quase todos eles relacionados com o amor, com as mulheres. O protagonista assume um carácter errático, uma linguagem crua e sem filtros a um ritmo que nos desperta uma certa inquietação ao ler. Apesar de ser sucinta, a história guia-nos com detalhe pelos cinco anos que pontuam a narrativa. The Cheater’s Guide to Love ensina-nos que nem todos os romances têm finais felizes, detalhes de amor, pétalas de rosa ou pedaços de contos de fada, este tem apenas um desabafo e uma mão cheia infelicidades.

O destaque vai para o ritmo da narrativa, cada frase empurra-nos rapidamente para a próxima, e o ponto de vista do protagonista, estando tudo escrito e descrito segundo a sua perspectiva pessoal, nunca sabemos como é que era visto pelos outros, daí o carácter auto-analítico que mencionei no início.

Se andas à procura de um romance fora do comum, de uma short story interessante ou de um livro que te traga um ritmo de narrativa totalmente diferente e inquietante, então, tenho a certeza de que vais gostar deste livro:

Seguir:
Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.


À Procura de Algo?