13 reasons why: não vires a cara!

São poucas as séries do Netflix que não dão que falar, mas “13 reasons why” é mais do que uma série que dá que falar, é uma série, uma história e uma realidade que precisa, urgentemente, de ser falada.

Ainda há quem vire a cara para o outro lado e não queira ver tudo o que se anda a passar debaixo dos nossos narizes. Ainda há dias, um meio de comunicação português divulgou uma “sextape” (sim, há outros nomes, mais leves, menos mediáticos, mas não vale a pena tapar o sol com a peneira), expôs a vida das pessoas, colocou em risco a vida da(s) vitima(s). Nem tudo é notícia, nem tudo pode servir para ganharem as audiências ou a guerra dos “clickbaits”. O pior ainda está para vir, é que poucos minutos depois estava tudo espalhado pela internet, havia partilhas por todo o lado, havia quem dissesse que a culpa era dela porque estava bêbada, havia quem dissesse que aquilo nem podia ser considerado violação porque não houve coito. Houve de tudo. Houve muita falta de respeito. Cheguei a bloquear pessoas (eu sei que estão a pensar que estou a ser exagerada e infantil, que maturo da tua parte pensares isso -.-), aterrorizada com a ideia de que já tinha partilhado salas de aula, ou mesas de café com alguém que fosse capaz de ser tão atrasado.

#feminazi a hashtag que parece não ferir ninguém. “Ouve, uma coisa é quereres ter um salário igual, outra coisa é defenderes todas as galdérias que se põe a jeito” – é este o significado da hashtag. E não tenho dúvidas que magoa muita gente. Não vou falar das mulheres da minha idade que já têm o cérebro construído e apetências intelectuais e emocionais para lidar com este tipo de cenas. Hoje falo para as mais novas e sobre as mais novas, sobre as que se vêm sem saída, sobre as que não têm com quem falar, as que têm mais do que 13 razões, as que não sabem expressar o que sentem, as que sabem que têm medo daquela rua, daquela hora, daquele bus, daquele vestido curto, daquele batom vermelho.

A educação sexual em Portugal ainda é uma infantilidade, ainda ensinam as crianças a colocar um preservativo 10 vezes (como se eles não tivessem visto isso num vídeo do Youtube no 4º ano), mas não ensinam a diferença entre sexo com e sem consentimento, não ensinam o lado emocional do sexo, seja ele bom ou mau. O que se rasga não é um hímen, perder a virgindade não é, e nunca será, uma questão física. Mas ninguém nos conta esta história, porque ainda nos ajoelhamos, ignorantemente, perante uma religião que evoca este tipo de crenças e pensamentos. Mergulhados numa hipocrisia imensa, as famílias tradicionais, baptizam os filhos com a água da vergonha sexual e continuam a perder tempo a contar a história de Adão e Eva, sem perderem tempo a debaterem os assuntos da vida sexual saudável. Os médicos e os enfermeiros do Planeamento Familiar, também só dão atenção às DST, e enchem-nos de preservativos cada vez que lá vamos, mesmo que possa ser insultuoso dar 10 preservativos a uma miúda de 15 anos que ainda nem deu o primeiro beijo. Estão a seguir a minha linha de pensamento? Pois, só nos preocupamos com os aspectos práticos do sexo. E a adolescência pode ser a maior foda sem protecção.

O “13 reasons why” não é uma história com final feliz, mas foi criado com o intuito de dar alguns finais felizes a outras pessoas. Os pais deviam ver para saber como lidar e para estarem alerta. Os meninos deviam ver para aprenderem o que devem e o que não devem fazer a uma rapariga. As meninas deviam ver para saberem o que fazer e o que não fazer perante agressões. E todos nós, como pessoas mortais e imperfeitas, devíamos ver para entender que toda a gente tem problemas, toda a gente sofre, devíamos aprender a conviver melhor com os telhados uns dos outros, tal como devemos olhar para a história e procurar formas melhores de lidar com a dor.

Levando isto para um campo mais sério e pessoal. Procurem ajuda, deixem-se de dramas com o facto de ir a um psicólogo, procurem amigos, professores, familiares que vos possam ajudar, falem com mais abertura com as pessoas que vos rodeiam. Acreditem que a adolescência é uma fase bastante curta da vossa vida, apesar de ser extremamente densa, é suportável se tivermos alguém com partilhar os dramas.
Obrigada a todos os que me deram mais do que 13 razões para ser feliz na adolescência. Hoje percebi que, por cada 13 razões que me faziam chorar, havia 13 razões para sorrir, por 13 pessoas de merda que conheci na adolescência, encontrava uma que valia por 13.

Seguir:
Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.